notas ao tempo

te escrevo
enormes juras
grandes
contratos selados
pelas paredes
do muro
do teto
da cabana
que nos abrigamos
ontem, quando havia
risco no céu
e ele transbordava
e todas as ilhas
se enchiam
e todos os bichos humanos
eram alagados
e expostos,
todo o ar
era passageiro,
só você permanecia ainda
à estender os braços,
pedir clemência,
como se sozinho e nu
pudesse salvar
todo o pranto
do mundo. e salvou.

Postagens mais visitadas deste blog

(uni) inverso das coisas

Marginais Imaculados

fragmento perdido