Postagens

Mostrando postagens de Outubro, 2017

fragmento perdido

sentado aqui sozinho e calado
em meio ao caos do mundo
espero por algo que ainda
não tem nome ou forma
ou até mesmo função,
tantas marcas deixadas
em meu corpo e eu espero
abandonado de espírito
por algo que atinja o peito,
que faça expurgar o latido
dos cães e as goteiras
do telhado. sentado aqui
silenciando a entrega, quase
como uma afirmação de fé
de que subitamente daremos
algum sentido aos retratos
e as coisas que permanecem
sempre as mesmas.

Coisas vãs

todas as sextas construimos
pontes monumentais ao invisível
dos olhos, perfumamos o corpo,
a casa, o templo, na esperança
de sermos vistos, não só vistos,
mas amados, de alguma forma
esperamose insinuou a espera como uma
doação ilimitada, uma carga
dramática, um último arrepio
nos poros da tua pele, o olho
soberano de deus, grandíssimo
sol encarnado, rei pacificador
da tempestade, da chuva passageira
a canção sem-fimtodas as sextas cantamos
com as vozes do amor
e aquele ponto fixo no mapa,
a estrela maior na casa de touro
se afasta, enquanto explode
em prata a angústia da noite
e dos dias iguais em simetria.todas as sextas, como a pedra
que rola a montanha, nos encontramos,
nos esgueiramos pela subida,
apenas para cairmos e nos
perdermos de novo e de novo.
e mais uma vez. até que um
novo dia nos redima.